Compartilhe:

Não tem nada pior do que só termos ao nosso lado pessoas para compartilhar o lado bom da vida, certo? Mas e  na hora que a coisa fica feia? Os ditos populares traduzem  isso muito bem: Só vai tomar da minha água quem passou sede  comigo.

Mas então, porque será que a gente insiste em se criticar e se autocobrar em demasia quando nós mesmos agimos de forma diferente daquilo que julgamos “ideal”?

Na Alegria e na Tristeza

A grande sacada  é se  aceitar também em  nossos momentos, digamos assim, menos iluminados:

  • Quando  magoamos a nós mesmos
  • Quando  cometemos erros
  • Quando  não temos certeza de tudo
  • Quando  temos recaídas em assuntos que já tínhamos superado

A insegurança é justamente esse ” abandono ” por parte de nós mesmos diante da possibilidade ou da constatação de uma falha.

Mas se você não valorizaria uma amigo que só está com você nas horas boas, porque tratar a si mesmo da mesma forma? Afinal estar junto só quando tudo flui bem não significa muito. O ideal é se apoiar também na hora da dificuldade no maior estilo “tamo junto”.

Até porque  o reconhecimento de nossas vulnerabilidades é sempre positivo. É a partir delas que iremos ampliar nosso repertório de competências, compreender um pouco mais sobre nossos limites, desenvolver outras habilidades, sair da nossa zona de conforto.

Claro que esse caminho não é fácil. Eu mesma sempre fui uma pessoa que me cobrei demais. Custava muito descobrir por exemplo, qual o limite entre atingir o inalcançável e estar sendo indulgente comigo mesma.

O fato de ser Coach parece apenas ter piorado a situação: Minhas falhas eram vistas por mim muitas vezes,  como incompetência e preguiça. Precisei de muitas experiências e muita humildade para entender que por mais que consiga influenciar boa parte dos meus resultados, não conseguirei dar conta 100% do tempo de 100% de tudo.

Os processos de Desenvolvimento Pessoal e Autoconhecimento foram cruciais para compreender tudo isso e para que eu desenvolvesse uma autocompaixão necessária para poder sim dar saltos cada vez maiores. Afinal, só é forte aquele que reconhece sua vulnerabilidade , pois pode efetivamente lidar com ela, nem que para isso reconheça que o lidar com ela é simplesmente abrir mão do controle.

Parece ruim, mas acredite,  é libertador ! Tirar o peso das costas de estar sempre acertando é crucial para se permitir errar e a partir daí ser capaz de ter novos aprendizados.

Seja seu parceirão! O autoconhecimento vai te ajudar a descobrir que: VOCE É INCRÍVEL, NÃO PERFEITO!

E você? Se aceita integralmente?

Comente aqui como é esse casamento tão importante entre você e você mesmo!

Um beijo

Leticia Rodrigues


Compartilhe: