Compartilhe:

Quem cresceu assistindo ficção cientifica, certamente, já se deparou com um roteiro onde os robôs e maquinas, passam a dominar o mundo.

Bill Gates , inclusive, mencionou essa ameaça, de robôs atuarem na substituição de trabalhadores e no risco de adquirirem habilidades , tornando-se inteligentes. (https://canaltech.com.br/mercado/Bill-Gates-inteligencia-artificial-pode-ser-uma-ameaca-aos-humanos/)

Entretanto, enquanto não chega o momento da gente se unir contra os exterminadores do futuro, precisamos sim falar sobre cyberbulling e os malfadados haters, que tem prazer em destilar seu veneno em posts pela rede, com a falsa ideia de anonimato e proteção, trazida pela internet.

Se por um lado, o acesso a informação está ao alcance de todos, por outro, nossos hábitos de pesquisa e consumo, selecionam o tipo de notícia ao qual temos acesso. Não é por acaso que você recebe opiniões parecidas com a sua e lê notícias que possuem o seu viés político e social.

O resultado disso é que passamos a enxergar a realidade somente do nosso ponto de vista, e isso pode ser extremamente prejudicial, quando falamos de polarização.

Mas como ter um relacionamento saudável nas redes sociais? Como na minha visão, devemos sempre trazer o controle da situação com atitudes que podem determinar um melhor resultado, listei alguns pontos para a gente considerar sobre o assunto:

  • Lembre-se tudo o que você posta, se torna público, mesmo que esteja na sua página pessoal: Logo, uma citação, foto, não é apenas “sua”, ao contrário está sujeita a opinião alheia. Por mais que hoje, existam leis preocupadas em garantir a segurança de nossos dados e as punições cabíveis podem ser aplicadas em caso de ofensas e difamações, ter isso em mente, pode ajudar a gente a decidir o que vale ou não a pena expor.
  • Compreender que é impossível controlar a opinião dos outros: isso definitivamente não está na nossa mão. Claro, que podemos influenciar essa opinião, com aqueles posts chamados de “caça like”, que incluem fotos fofinhas e declarações de amor, porém não dá para garantir o que as pessoas pensarão ao nosso respeito. Aliás, nem sempre garantimos sequer uma opinião. E isso não pode ser usado como balizador do nosso valor, ok? Especialmente adolescentes, tendem a identificar o nivel de seu sucesso baseado no numero de seguidores e curtidas. Nada pode ser mais irreal.
  • Todo comentário, positivo ou negativo, é apenas um viés: se partirmos do pressuposto que não conseguimos controlar o outro, podemos entender o significado da frase ” todo julgamento é uma confissão”, isto significa que de forma alguma podemos determinar quem somos, a partir de uma opinião que não é nossa, especialmente se ela é emitida baseada em uma foto ou postagem, por exemplo.
  • Nosso poder de escolha está sempre no tipo de impacto que queremos gerar: isso pode ajudá-lo a decidir se está ou não confortável com aquilo que vai postar: lembre-se, tudo o que você faz online, deveria poder ser feito pessoalmente. Você se comportaria dessa forma: Fica feliz de ser associado a esses momentos? Se uma imagem vale mais que mil palavras, você se sente representado por essa foto? Se a resposta for sim, poste. Comente. Mas se estiver com duvidas, talvez seja melhor adiar. Afinal, nem tudo o que acontece em nossa vida, merece ser postado. Vale muito mais a pena, se for vivenciado.

  • Recentemente, em uma viagem de barco, fomos surpreendidos por uma cardume de golfinhos que navegava ao nosso lado. Imediatamente todo mundo filmou e fotografou os bichinhos. Eu que estava sem o celular, resolvi contemplar o momento e acho que valeu muito. A sensação que tive, foi indescritível.

Mas e como lidar com os comentários ofensivos

acredito que uma pessoa que se preste a ir a um post de alguém para ofender outra pessoa, deveria ser ignorada e isso inclui não responder ou até mesmo bloquear essa pessoa.

No caso de famosos, a minha opinião é que a pessoa certamente sente-se notada quando o ídolo responde ao comentário, e faz sentido, não é mesmo?

Mas, no nosso caso, acredito que valha a máxima de ignorar, nunca responder e sim, tomar as medidas cabíveis , caso o comentário tenha cunho homo fóbico, racista ou configure crime de qualquer natureza.

Lidar com as redes sociais e a rapidez da informação, implica em um aprendizado constante, já que o alcance de nossas opiniões e postagens, muitas vezes não pode ser medido.

E você? Como lida com as redes sociais na sua vida? Vou gostar muito de saber sua opinião.!

Desenvolver sua autoestima, é fundamental para depender menos da aprovação externa e isso só é possível, através do autoconhecimento.

Baixe meu e -book e inicie sua Jornada do Autoconhecimento, na home desse site ! Espero você!

Um beijo

Letícia Rodrigues


Compartilhe: